Notícias da atividade legislativa e regulamentar, decisões judiciais e administrativas.

Argentina

  • No nível parlamentar, vários projetos de lei relacionados ao direito à liberdade de expressão foram apresentados em março. um deles está ligada à proteção de fontes de informação jornalística, outro diz respeito à divulgação e / ou distribuição de gravações ou imagens com conteúdo sexual e roubo de identidade e, por fim, foram apresentados dois projetos que penalizam determinadas expressões. O  primeiro visa modificar o código penal para incorporar um novo tipo de crime sancionando toda conduta de negação, pedido de desculpas e / ou reclamação sobre genocídio e crimes contra a humanidade. O segundo penaliza publicamente quem fizer declarações ou manifestações, feitas nos meios de comunicação, nas redes sociais, e em qualquer tipo de manifestação pública, tendendo a reivindicar, legitimar e / ou minimizar os crimes cometidos pelo terrorismo de Estado durante a última ditadura argentina.
  • No âmbito judicial, podemos destacar duas decisões com implicações importantes para a liberdade de expressão online. Na causa Amado Vecchi c / Google, A Sala III da Câmara Federal Cível e Comercial analisou o pedido de bloqueio de determinados URLs em que o autor foi citado (como condenado por fraude). Ao contrário do que foi resolvido em primeira instância (onde foi reconhecido o direito ao esquecimento), a Câmara, citando os casos "Rodriguez, María Belén" e "Paquez", entendeu que o bloqueio das informações publicadas sobre o autor constitui uma grave restrição ao informações de interesse público que afetem seriamente a liberdade de expressão. Na mesma linha, afirmou que "o direito ao esquecimento não é um direito ilimitado" e que as questões de interesse público constituem o seu limite (como é o caso do caso em apreço). Por outro lado, no âmbito do processo "CFK v / Google", o Supremo Tribunal de Justiça da Nação rejeitou o apelo do Google contra as medidas de teste antecipadas solicitadas pela Vice-Presidente da Nação Cristina Fernández de Kirchner. Você pode encontrar mais informações sobre as implicações do que foi discutido no caso em é Postagem de Agustina del Campo no Blog do Observatório Legislativo do CELE.

 

Brasil

  • Entre fevereiro e março, várias prisões e processos foram realizados com base na Lei de Segurança Nacional (Lei 7170/1983), lei editada pela última vez durante o regime militar brasileiro e que define crimes contra "a integridade territorial e a soberania nacional, o regime representativo e democrático, a federação e o Estado de Direito, e os chefes dos Poderes da União". . O primeiro detido foi Daniel Silveira, deputado de extrema direita que postou em sua conta no YouTube um vídeo que, segundo o Supremo Tribunal Federal, “agrediu os ministros do Supremo Tribunal Federal, por meio de várias ameaças e crimes contra a honra, além de propagando expressamente a adoção de medidas antidemocráticas contra o tribunal. O segundo foi o aluno João Reginaldo Silva Junior por postar no Twitter uma mensagem que, segundo a Polícia Federal, “incentiva a violência e o atentado contra a vida do presidente Jair Messias Bolsonaro”. Daniel continua detido (em casa) e aguarda julgamento, enquanto João foi libertado no mesmo dia e está sob investigação. 
  • Em resposta às prisões, o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e o Partido Socialista Brasileiro (PSB) convocaram o Supremo Tribunal Federal para questionar a constitucionalidade dos dispositivos da Lei de Segurança Nacional (Lei 7170/1983). No Declaração de Violação de Preceito Fundamental (ADPF, em Português) 797 o PTB sustenta que há incompatibilidade da norma com o Estado Democrático de Direito. No ADPF 799, o PSB adota o mesmo argumento, mas afirma que há dispositivos na lei compatíveis com a Constituição e que devem ser mantidos, de forma a não comprometer a defesa da ordem democrática pelo Judiciário.
  • Desde 2019, um projeto de lei conhecido como "Pacote Anti-Crime". A intenção do projeto é tornar o combate ao crime mais eficaz e, para isso, propõe alterações em diversos artigos do Código Penal Brasileiro. No entanto, após aprovação nas duas câmaras parlamentares, o presidente da república vetou algumas dessas modificações, incluindo a que pretendia triplicar as penas para os crimes contra a honra cometidos nas "redes sociais". A Câmara dos Deputados rejeitou o veto do presidente a esta seção, em 17.03.2021. O Senado ainda não votou os vetos.
  • Em 8.03.2021, na 20ª Vara Cível de Brasília / DF negou pedido de reparação urgente solicitado pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro contra o também deputado Kim Kataguiri. No pedido, o autor solicitou que o acusado fosse impedido de fazer publicações que violassem sua honra, além de exigir a retirada de qualquer conteúdo ofensivo à sua honra anteriormente publicado em sites e redes sociais. Em sua decisão, a juíza apontou a respeito da retirada de publicações ofensivas que as publicações tratam de assuntos de interesse público e que sua retirada da internet, em liminar e sem maiores esclarecimentos dos fatos, pode afetar o interesse da comunidade, sobretudo tendo em conta que os encargos incidem sobre o exercício da função pelo reclamante e sobre alegações de desvio de fundos públicos.

 

Chile

  • Uma série de irregularidades relacionadas ao violação dos direitos fundamentais foram identificados no "Relatório 2020. Liberdade de Expressão no Chile", elaborado pelo Observatório do Direito à Comunicação, o Instituto de Comunicação e Imagem e a Fundação de Dados Protegidos e que enfoca o contexto do surto social ocorrido no Chile desde 18 de outubro de 2019 (18-O) e posteriormente a pandemia COVID19 em categorias como: Ataques à imprensa por órgãos do Estado, problemas de acesso à informação pública, restrições à liberdade jornalística e de expressão no campo artístico, criminalização do discurso público, falta de pluralismo e pressão do poder público sobre os meios de comunicação, censura algorítmica, ataques a mídias digitais e assédio seletivo e discurso de ódio na internet (plataformas de mídia social). Estas situações foram apresentadas num ciclo de quatro palestras que decorrem de dezembro de 2020 a março de 2021. Estão disponíveis os 4 capítulos do Relatório Clique aqui.  
  • Embora em novembro de 2020, um Projeto de reforma constitucional para que o Estado chileno garanta o direito de acesso à Internet a toda comunidade educacional e que tenha financiamento público, em particular alunos e professores, no início do ano letivo de março de 2021, mais uma vez a imprensa e as redes sociais tornaram visível o caso de meninas e meninos que em todo o país devem realizar verdadeiras odisséias para se conectar às suas aulas online, especialmente em setores áreas rurais e em bairros ou áreas onde a banda larga e os serviços de conectividade móvel não chegam. Críticas especialmente de organizações da sociedade civil apontam para as consequências dessa brecha digital no exercício dos direitos de meninas, meninos e adolescentes aos seus direitos de acesso à educação, conhecimento, comunicação e liberdade de expressão, cultura, entre outros. O projeto de lei não tem urgência até o momento.
  • Em novembro de 2020, o processamento do  projeto de lei que visa proibir, classificar e sancionar a violência digital em suas diferentes formas, também buscando oferecer proteção às vítimas no Chile. Sob o lema "Chega de violência digital", a iniciativa busca instalar a demanda por segurança digital, proibir certos comportamentos particularmente graves e diversificar a forma como são penalizados. O projeto, atualmente em tramitação no poder legislativo, identifica tipos de violência especialmente nocivos, principalmente para mulheres e a comunidade LGTBQ +, como assédio digital, doxing ou divulgação de dados pessoais, roubo de identidade, divulgação não consentimento de pacotes e flashing cibernético ou exibição de conteúdo não solicitado. O projeto, que está em sua primeira fase de tramitação, conta com uma aliança inédita entre parlamentares de diferentes coalizões políticas e organizações sociais feministas e LGTBQ +.

 

Colômbia

  • Em março, surgiu uma polêmica nas redes sociais sobre o decisão do Ministério de Tecnologias da Informação e Comunicações para conceder 85 bilhões de pesos em subsídios aos meios de comunicação. Embora o anúncio original tenha sido feito em fevereiro, os detalhes foram divulgados em março De plano de governo. Além dos questionamentos usuais sobre a possibilidade de os recursos serem utilizados como forma de premiar a mídia mais leniente com o governo, existem preocupações devido ao tratamento desigual dispensado aos diferentes meios de comunicação (rádio, televisão, imprensa escrita e digital). Além disso, assinalou-se que os subsídios não ajudariam a resolver a crise estrutural da mídia na Colômbia.
  • O Ministério de Tecnologia da Informação e Comunicações deu início à execução do que chamou de "o maior projeto de conectividade rural da história do país". O governo anunciado o que você planeja trazer para a internet de banda larga para mais de 14 escolas nas áreas mais remotas do país entre 2021 e 2022. No dia 17 de março, foi iniciada a operação de cinco dos mais de oito mil “Centros Digitais” que serão ativados este ano.

 

Equador

  • O país vive um momento político delicado. A gestão errática da crise de saúde levou à vacinação de um número mínimo de cidadãos e revelou graves casos de corrupção no sistema de saúde. Após o colapso da cidade de Guayaquil em abril de 2020, investigações jornalísticas foram realizadas relacionadas ao desvio de fundos em hospitais, compras superfaturadas de suprimentos médicos e manipulação fraudulenta de recursos públicos. As revelações foram resultado de investigações jornalísticas conduzidas, entre outras, pela repórter Dayana Monroy, do canal Teleamazonas. As Monroy inquéritos Eles revelaram uma rede de corrupção que incluía pessoas mortas e na qual estavam envolvidos o ex-presidente Abdalá Bucaram, hoje sob investigação, e alguns de seus parentes. El 27 de enero 2021, en el contexto de un video en el que el expresidente se quejó de la cobertura periodística de Monroy sobre actos delictivos presuntamente cometidos por Bucaram y su familia, y declaró: “¿No se han preguntado que quizás mejor debería matarla a ela?". Nesse contexto, diversas redes de jornalistas se manifestaram diante das ameaças do ex-presidente. O jornalista foi ao tribunal. Ao mesmo tempo, o país vive um período eleitoral que prevê um potencial retorno da figura do ex-presidente Rafael Correa, muito questionado por seus ataques à liberdade de expressão. Nesse contexto, um dos argumentos de campanha do ex-presidente e de seus seguidores é uma espécie de vingança contra setores críticos, inclusive a imprensa, caso voltem ao poder.

 

Guatemala

  • O Provedor de Direitos Humanos da Guatemala anunciou em 22 de março o início de uma investigação contra o Prefeito Municipal de San Juan Sacatepéquez Juan Carlos Pellecer (um dos municípios mais populosos do Departamento da Guatemala, onde também está localizada a capital do país) porque ele seria cometer flagrantes violações da liberdade de expressão dos habitantes do referido município. Essas violações à liberdade de expressão estariam vinculadas a manifestações nas redes sociais contra o prefeito pela má gestão de um poço de água que abastece XNUMX casas que o município está construindo. Neste contexto, o oficial, abertamente manifestado que eles “hackearam” várias contas do WhatsApp e “sabemos o que eles dizem, temos os áudios do que eles disseram”. Antes da confissão aberta dessas irregularidades, o Provedor de Direitos Humanos comentou: “O direito das pessoas de expressar sua insatisfação com a gestão do prefeito de San Juan Sacatepéquez não deve ser limitado pela interceptação de comunicações. É necessário que o Ministério Público investigue. "
  • Até ao momento, em 2021, aumentam os casos em que investigadores forenses e procuradores do Ministério Público, ao perceberem a presença de repórteres a tirar fotografias nas proximidades de vários tipos de locais de crime, os ameaçam de iniciar uma acção judicial. Por colocarem a sua "segurança em risco "e mesmo ordenando que apaguem todo o material fotográfico assim obtido. Enquanto o grupos de jornalistas afirmam que essas ações são limitações por parte dos funcionários ao acesso às fontes de informação, funcionários do órgão de acusação em matéria penal na Guatemala alegam ingerência em suas funções e possível contaminação do local do crime. Sem dúvida, isso demonstra a necessidade de colaboração entre esses atores, para entender como compatibilizar o trabalho de investigação forense com a investigação jornalística.

 

México

  • Em 9 de março de 2021, o ator de Monterrey (México-Nuevo León), Marco Polo informou que recebeu nas semanas anteriores uma denúncia por violência política de gênero na Promotoria Especial de Crimes Eleitorais da Procuradoria-Geral da República, apresentada pela candidata ao governador de Nuevo León pelo partido MORENA (Movimento pela Regeneração Nacional), Clara Luz Flores Carrales , pela paródia que se faz dela através da personagem “Carla Lucía”. O ator fez menção em seu twitter a todos os esquetes em que o personagem aparece e pediu desculpas se o que ele pretendia comunicar fosse "trasgiversado" (sic). Em suas mensagens no Youtube, imprensa e em rádio nacional O ator relatou que, embora tenha se desculpado por não ter continuado a se envolver no processo penal, considera que se trata de um ato de censura que viola sua liberdade de expressão.   
  • As organizações Assédio na U e R3D deram a conhecer à opinião pública a sua preocupação de que o INAI (Instituto Nacional de Transparência, Acesso à Informação e Protecção de Dados Pessoais tinha em curso um procedimento de protecção de dados pessoais iniciado pelo ex - Professor no Instituto Tecnológico de Estudios Superiores de Monterrey, campus Monterrey, Felipe Montes, que foi designado como perseguidor sexual e, conseqüentemente, separado da instituição acadêmica. Em consequência do seu despedimento, Montes solicitou ao abrigo do instrumento legal de protecção de dados pessoais que lhe enviem informações sobre quem o denunciou e que, para além disso, apaguem todos os registos sobre ele na organização. Portanto, o INAI iniciou processo de sanção contra a organização Assédio nos EUA. No momento, embora não haja notícias sobre a imposição de uma sanção à organização, as organizações da sociedade civil têm expressado Contra a resolução do INAI por deturpar a lei sobre a proteção de dados pessoais e promover o silenciamento dos denunciantes de violência sexual com a violação do seu anonimato.
  • A partir de março de 2021, as instituições bancárias no México começaram a exigir que seus clientes que desejam acessar seus serviços por meio de serviços bancários online sejam localizados geograficamente. Essas solicitações fazem parte da exigência legal criada contra a lavagem de dinheiro e implementada pela Unidade de Inteligência Financeira do Ministério da Fazenda e Crédito Público. A medida foi questionada pela organização R3D por considerá-la desproporcional e arriscada para milhões de pessoas que colocarão informações sigilosas à disposição dos bancos, bem como das autoridades, sem a necessidade de uma decisão judicial que autorize esses atos. Na sua vez, R3D considera o que não é a medida mais adequada porque pode ser comprometida por modificadores de GPS. 
  • O Congresso mexicano busca criar um registro ou registro obrigatório de linhas telefônicas associadas à identidade biométrica. Organizações da sociedade civil como R3D têm expressado que este projeto constitui um sério risco para a privacidade e segurança dos usuários. Entre as Comentários que são realizadas para este projeto é a vulnerabilidade potencial do banco de dados que será criado, bem como sua comercialização e venda potencial para terceiros

Peru

  • O Ministério da Justiça e Direitos Humanos descartou a possibilidade de ação legal contra um canal de televisão de sinal aberto que transmitiu informações tendenciosas e incompleto sobre a eficácia das vacinas adquiridas pelo governo peruano do laboratório Sinopharm. O ente público, no entanto, não avaliou se a divulgação de informações qualificava-se na infração penal séria perturbação da tranquilidade pública, Em vez disso, considerou que as informações imprecisas já haviam sido esclarecidas por manifestações públicas do governo, outros meios de comunicação, associações profissionais e atores da sociedade civil. 
  • O Congresso da República aprovado em primeiro voto a reforma da Constituição Política do Peru para incorporar O acesso à Internet como direito fundamental. Esse direito seria incorporado ao enunciado do artigo 14 que trata do direito à educação. Além disso, o acesso gratuito à Internet é fornecido no entidades, instituições e espaços públicos, e a obrigação de promover o desenvolvimento científico e tecnológico por meio da alfabetização digital. Na versão final da reforma, a disposição de que o acesso à Internet não foi considerado livre e aberto

 

Também incluímos no Este Boletim é um gráfico que mostra as questões relevantes em termos de liberdade de expressão dos projetos de lei apresentados durante o ano de 2021 nos países que integram o Observatório.

 

Agradecemos aos nossos consultores por seu trabalho e contribuições para este boletim regional: Matías González (Argentina), Ártur Pericles (Brasil), Patricia Peña (Chile), Luisa Isaza (Colômbia), Victor Cabezas (Equador), Álvaro Castellanos (Guatemala), Juan Carlos Arjona Estévez (México) e Andrés Calderón (Peru) 

Crédito da foto: @Leonoverweel

autores

, , , , , , ,