LIBERDADE DE EXPRESSÃO NO PARAGUAI

25 LEIS

10 PROJETOS

INFOGRÁFICOS

[id do visualizador = »5225 ″]
[id do visualizador = »5226 ″]
[id do visualizador = »5238 ″]
[id do visualizador = »5237 ″]

COMPATIBILIDADE COM O QUADRO INTERAMERICANO
(Análise tripartida)

[id do visualizador = »4914 ″]
[id do visualizador = »4913 ″]
[id do visualizador = »5225 ″] [id do visualizador =» 5226 ″]
[id do visualizador = »5238 ″] [id do visualizador =» 5237 ″]

COMPATIBILIDADE COM O QUADRO INTERAMERICANO
(Análise tripartida)

[id do visualizador = »4914 ″] [id do visualizador =» 4913 ″]
Documento Regional

Em trinta anos de democracia, o Paraguai mostrou um crescimento constante da liberdade regulatória. Na Constituição Nacional de 1992, sancionada no início desta era democrática, vários artigos são dedicados a garantir a liberdade de expressão, em todas as suas formas. Nos últimos anos, e paralelamente ao aumento da conectividade da Internet, devido ao amplo uso das redes sociais e ao desenvolvimento tecnológico no país, a gestão legislativa tem sido orientada para o aumento da regulamentação da Internet, seus intermediários e seu conteúdo. Em alguns casos, esses esforços legislativos resultaram em projetos de lei e em outros foram traduzidos em leis em vigor na República do Paraguai. Essa tarefa legislativa exige o fortalecimento da perspectiva dos direitos humanos ao abordar as diversas situações exigidas pelo uso da Internet e das plataformas tecnológicas, para não ameaçar o exercício pleno da liberdade de expressão. a perspectiva de direitos humanos necessária ao legislar sobre políticas de uso da Internet e regulamentação de intermediários, a fim de garantir ao mesmo tempo direitos básicos, como a liberdade de expressão. Essa ignorância afeta não apenas aqueles que realizam a tarefa legislativa, mas também os cidadãos que devem controlar essa tarefa. Isso é evidente na elaboração de projetos de lei que, buscando proteger certos direitos, colocam em risco outros igualmente importantes. Paralelamente à gestão legislativa, o país se expande tecnologicamente. 30% da população possui alguma forma de conexão à Internet e, ao mesmo tempo, há uma desconexão severa entre as políticas nacionais de telecomunicações (com atrasos nos regulamentos e aplicação das políticas da Internet sem uma perspectiva de direitos humanos). ) e os planos das empresas privadas de conectividade. O artigo procura expor esse processo legislativo e seu impacto no exercício da liberdade de expressão do cidadão na Internet, que revela tendências e desafios para os cidadãos e a democracia nos próximos anos.